• Foto 1 do produto O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património
    Foto 1 do produto O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património
    • Foto 2 do produto O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património
    Foto 2 do produto O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património
    • Foto 3 do produto O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património
    Foto 3 do produto O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património
    • Foto 4 do produto O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património
    Foto 4 do produto O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património
    • Foto 5 do produto O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património
    Foto 5 do produto O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património

O Esplendor da Austeridade - Mil Anos de Empreendedorismo das Ordens e Congregações em Portugal: Arte, Cultura e Património

As ordens religiosas e o seu valioso património constituem uma dimensão importante da paisagem cultural e simbólica do nosso país. A importância e impacto modelador da «omnipresença» do pessoal monástico no tecido social da nossa história multissecular estão bem ilustrados tanto na monumentalidade do património edificado que tem resistido à erosão do tempo e da acção do homem político nos seus antagonismos e cumplicidades com esta herança, como na paisagem literária e cultural.
O curso da História de Portugal ficou marcado pela presença constante das ordens religiosas — militares, contemplativas, canonicais e mendicantes — e pelo papel determinante que representaram na fundação do Reino e na expansão portuguesa, terrestre e marítima. Podemos afirmar que houve, desde os primórdios do projecto político da construção do Reino chamado de Portugal, um casamento ou contrato de cooperação íntima entre ordens religiosas e o ideário de edificação de um país com uma língua e uma identidade cultural próprias. Desligar as ordens religiosas deste processo é perder uma parte relevante da nossa história.
O Esplendor da Austeridade é o ponto de síntese, altamente ilustrado e destinado ao grande público, do trabalho que tem vindo a ser realizado, de há dez anos a esta parte, por uma equipa de investigadores da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. A sua investigação visa o conhecimento mais global e aprofundado da história da experiência monástica cristã materializada em instituições pluriformes que se metamorfosearam em diferentes expressões e contextos ao longo da história portuguesa.

Observações: Prefácio de Sua Excelência o Presidente da República

Imagem maximizada

fechar [X]