• Photo 1 of product Correspondência Familiar
    Photo 1 of product Correspondência Familiar
    • Photo 2 of product Correspondência Familiar
    Photo 2 of product Correspondência Familiar
    • Photo 3 of product Correspondência Familiar
    Photo 3 of product Correspondência Familiar

Correspondência Familiar

Correspondência Familiar – quarto volume da «Edição Crítica das Obras de Almeida Garrett» – inclui 64 cartas de Garrett ao irmão Alexandre José (47 inéditas), 40 cartas à filha Maria Adelaide, e uma carta (inédita) à esposa Luísa Midosi, num total de 105 cartas (48 inéditas).
Nas cartas ao irmão, o lote mais importante do volume, transparecem temas valiosíssimos: as ligações com o Século das Luzes, com a Maçonaria e com os vintistas de primeira hora; as apreensões do exílio; a euforia com a vitória liberal e as reservas em relação a alguns liberais, chamados então «devoristas»; as diligências para eleger-se deputado com o apoio dos «católicos do Porto» e dos «constitucionais moderados»; a oposição ao Cabralismo na década de 40 (que também aparece vivamente em Viagens na Minha Terra, Frei Luís de Sousa e O Arco de Sant’Ana); o retorno a posições de poder na Regeneração, quando recebe o título de Visconde, ocupa a pasta dos Negócios Estrangeiros e rompe com Rodrigo da Fonseca Magalhães, amigo quase da vida inteira.
Nas 40 cartas à filha, vemos o pai carinhoso e atento às conveniências da época – «não te quero para doutora» – e comprovamos que as ligações com a Viscondessa da Luz – suposta inspiradora das Folhas Caídas – se mantiveram até à morte de Garrett.
Na única carta (inédita) escrita a Luísa Midosi, em 1853, Garrett trata de aspetos relativos à pensão que Luísa recebia por acordo mútuo. A separação legal não era possível pela legislação portuguesa e Garrett e Luísa firmaram, em 1839, em cartório, um documento que atesta já não levarem vida em comum, o que os preserva de uma eventual acusação de adultério, considerado crime à época. Garrett conclui a carta com uma declaração enfática de que era impossível voltarem a viver juntos.

Notes: EDIÇÃO DE: SÉRGIO NAZAR DAVID; COORDENADORA: OFÉLIA PAIVA MONTEIRO.

Imagem maximizada

fechar [X]