• Foto 1 do produto Gustavo Matos Sequeira- Retrato de um Olisipógrafo
    Foto 1 do produto Gustavo Matos Sequeira- Retrato de um Olisipógrafo
    • Foto 2 do produto Gustavo Matos Sequeira- Retrato de um Olisipógrafo
    Foto 2 do produto Gustavo Matos Sequeira- Retrato de um Olisipógrafo
    • Foto 3 do produto Gustavo Matos Sequeira- Retrato de um Olisipógrafo
    Foto 3 do produto Gustavo Matos Sequeira- Retrato de um Olisipógrafo
    • Foto 4 do produto Gustavo Matos Sequeira- Retrato de um Olisipógrafo
    Foto 4 do produto Gustavo Matos Sequeira- Retrato de um Olisipógrafo

Gustavo Matos Sequeira- Retrato de um Olisipógrafo

A publicação da obra Gustavo de Matos Sequeira: Retrato de um Olisipógrafo, no quadro do Acordo de Parceria celebrado entre a Câmara Municipal de Lisboa e a Imprensa Nacional-Casa da Moeda, com o apoio do Instituto Superior Técnico, é um testemunho do tributo do Município de Lisboa a um dos mais importantes olisipógrafos do século xx, Gustavo de Matos Sequeira. (...)
Partilhando connosco os inéditos Apontamentos Genealógicos da autoria de Matos Sequeira e o espólio de fotografias e de memórias familiares, e recorrendo aos acervos de várias instituições públicas, nomeadamente a Câmara Municipal de Lisboa, Berberan e Santos dá-nos a conhecer a obra e o homem que foi figura multifacetada das letras portuguesas, com uma obra que abarca géneros tão diversos como a olisipografia, a poesia, o teatro, o jornalismo, a arqueologia, e «fazedor» de eventos como o Mercado Seiscentista no adro da igreja de S. Domingos, a recriação de um trecho da Lisboa Antiga na cerca do antigo Convento das Francesinhas e a construção da Maqueta de Lisboa anterior ao Terramoto, entre muitos outros.
Em ano de comemoração do primeiro cinquentenário da sua morte, a Câmara Municipal de Lisboa, não quis deixar de assinalar esta efeméride apoiando a edição do livro que permite a novas gerações conhecer este prolífico autor que dizia numa carta «a confusão da minha vida de escriba é sempre um matagal donde custa sair para qualquer caminho» mas que tantos caminhos deixou abertos para a Olisipografia.

Catarina Vaz Pinto
Vereadora da Cultura
Câmara Municipal de Lisboa

Observações: CML, JERÓNIMO MARTINS E INSTITUTO TÉCNICO DE LISBOA

Imagem maximizada

fechar [X]