• Foto 1 do produto O Essencial sobre Albert Camus (Nº 123)
    Foto 1 do produto O Essencial sobre Albert Camus (Nº 123)
    • Foto 2 do produto O Essencial sobre Albert Camus (Nº 123)
    Foto 2 do produto O Essencial sobre Albert Camus (Nº 123)
    • Foto 3 do produto O Essencial sobre Albert Camus (Nº 123)
    Foto 3 do produto O Essencial sobre Albert Camus (Nº 123)

O Essencial sobre Albert Camus (Nº 123)

Para muitos, Albert Camus (1913-1960) foi, em meados do século passado, o paladino de uma terceira via entre o fascismo e o comunismo: nas suas obras proclamava a liberdade como valor supremo do homem. Avesso aos maniqueísmos dominantes, enunciou o princípio fundamental da sua ética, que é a fidelidade a um dever moral:
«Acredito na justiça, mas, se fosse preciso, defenderia a minha mãe contra a justiça.» Distinguido com o Prémio Nobel da Literatura em 1957, a sua intransigência consolidou a imagem de uma solitária austeridade, que no entanto contrastava com a sua constante reivindicação do direito à felicidade e à alegria.

LER AGORA >

Imagem maximizada

fechar [X]