• Foto 1 do produto São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa
    Foto 1 do produto São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa
    • Foto 2 do produto São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa
    Foto 2 do produto São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa
    • Foto 3 do produto São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa
    Foto 3 do produto São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa
    • Foto 4 do produto São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa
    Foto 4 do produto São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa
    • Foto 5 do produto São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa
    Foto 5 do produto São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa

São Carlos. Um Teatro de Ópera para Lisboa

A temática abordada na presente obra é dirigida especificamente ao Teatro de São Carlos, em Lisboa, mas facilmente se aplica aos problemas de conservação de antigos espaços dedicados à programação de espetáculos que, felizmente, se encontram ainda ativos. São precisamente os teatros líricos e da ópera os que revelam maiores dificuldades de adaptação às exigências modernas de encenações frequentemente complexas. Numa perspetiva mais ampla, o tema alarga-se a questões disciplinares do restauro, de princípio e de método, acabando por implicar a relação entre conservação e inovação, exigências técnicas, normativas, critérios históricos e culturais.
Refira-se que o Teatro Nacional de São Carlos, implantado entre a Rua Serpa Pinto e o Largo do Picadeiro, foi construído entre 1792 e 1793, pelo arquiteto José da Costa e Silva (1747-1819). Carlos Vargas considera que «São Carlos, como é conhecido, apresenta-se desde logo como o primeiro edifício em estilo neoclássico e o único espaço construído para a representação de óperas existente no nosso país, constitui um importante conjunto arquitetónico, talvez mesmo o mais importante no que se refere a salas de espetáculos [...]».

Imagem maximizada

fechar [X]